Fundo de investimento

Definição

É é uma estrutura em que investidores podem aplicar em conjunto em estratégias de simples a sofisticadas, dividindo custos.

A ideia é a mesma de um condomínio: cada pessoa é dona de uma cota, paga uma taxa da manutenção e os retornos são divididos entre todos de forma proporcional à quantidade de cotas adquiridas.

Assim como em um condomínio, o fundo tem um zelador, conhecido como administrador, que cuida do dia a dia e controla os prestadores de serviços como gestor, auditor e custodiante. Ele também é responsável pela constituição do fundo e registro na Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

O custodiante é onde o dinheiro do fundo vai ficar guardado. Geralmente é uma instituição financeira muito sólida como um grande banco.

O gestor equivale ao síndico. Ele toma todas as decisões de investimento apoiado por sua equipe com o objetivo de trazer o maior retorno possível para os cotistas, devendo obedecer às regras do regulamento do fundo. Ele e sua equipe trabalham em uma gestora que por sua vez é a responsável pelas estratégias de investimento. O fundo tem sempre um CNPJ separado da gestora e dos demais agentes.

Por fim, mas não menos importante, os fundos precisam de distribuidores para chegarem até as pessoas. Essas instituições podem ser bancos grandes e pequenos, corretoras e até a própria gestora do fundo.

Para remunerar estes agentes, os cotistas pagam taxa de administração e performance quando for estipulado no regulamento, além dos custos de operação. As rentabilidades que vemos divulgadas são sempre líquidas destas taxas (mas não do imposto de renda, cuja alíquota varia de um tipo de fundo para o outro e também em função do prazo de aplicação).

Existem diversos tipos de fundos, cada um com uma estratégia diferente e, portanto, expostos a diferentes riscos. E o investidor deve ter muito cuidado ao escolher o seu.

Os ativos nos quais um fundo pode investir são discriminados, até certo ponto, em seu regulamento e esse é um documento essencial para entender a estratégia seguida pelo gestor. Esse documento também ajuda a entender quais os riscos aos quais você está exposto.

Esses riscos variam de acordo com ativos e estratégias. Os ativos mais comuns são renda fixa (títulos do tesouro ou títulos de crédito), ações, moedas, derivativos e commodities, no Brasil e/ou no exterior.

Em todos os casos, atente-se à carteira e as regras de investimento do seu fundo, para entender os riscos aos quais você está exposto e se eles estão adequados ao seu perfil.

O nível das taxas cobradas comparativamente ao retorno e à qualidade da gestão são outros fatores importantíssimos na hora de selecionar aquele fundo que receberá o seu dinheiro.

Você pode entender melhor ao assistir o seguinte vídeo: https://youtu.be/897c26kvW8I

Os tipos mais conhecidos atualmente no Brasil são:

Empiricus

FGTS – Onde investir o seu saldo?

Caro leitor, a iniciativa do governo de liberar o saque de contas inativas do FGTS é uma boa notícia não só para quem precisa quitar dívidas, mas também para quem deseja investir esse dinheiro em aplicações que tragam um retorno real.